Psicoterapia, um caminho de crescimento e mudanças construtivas.

Psicoterapia se refere às diversas técnicas ou métodos utilizados pelos psicólogos em seus atendimentos.

 

Esses métodos também são conhecidos como linha ou abordagem terapêutica. As características que têm em comum são o emprego da comunicação verbal e não-verbal e a atenção à relação entre cliente e psicoterapeuta.

Os atendimentos, ou sessões, podem ser realizados tanto com um só cliente – terapia individual – quanto em grupo.

Psicologia Clínica

 

Inicialmente, a Clínica era voltada à Medicina e seu intercâmbio com a Psicologia veio do tratamento oferecido aos pacientes diagnosticados com algum conflito mental e de comportamento.

 

O olhar clínico se referia à análise do comportamento e de sintomas, sempre em busca de cura.

Ao ampliar a visão a um tratamento que englobasse a subjetividade da pessoa e considerasse conflitos localizados na mente, nos pensamentos, no mundo das idéias e sentimentos, e não buscar somente transtornos biológicos, surge a Psicologia Clínica, uma busca pelo crescimento pessoal – e pela cura – através da palavra.

Psicoterapia de Abordagem Centrada na Pessoa.

A Abordagem Centrada na Pessoa – ACP é uma abordagem psicológica desenvolvida pelo pensador, psicólogo e psicopedagogo Carl Ransom Rogers (1902-1987).

Em contraposição à idéia de que todo ser humano possuía uma neurose básica – desordem mental que, apesar de causar tensão, não interfere no pensamento racional ou na capacidade funcional da pessoa – Rogers defendeu que o núcleo básico da personalidade tende à Saúde e ao Bem Estar.

Pode-se dizer que na ACP o processo terapêutico é um trabalho de cooperação entre psicólogo e cliente para que o potencial ao crescimento da pessoa seja colocado em prática e, desta maneira, possa se tornar alguém mais pleno e integrado com aquilo que realmente pensa e sente em relaçao ao mundo e a si.

Desta maneira, ao invez de direcionar a Psicologia à doença mental, aborda-se a Psicologia em direção à Saúde Mental.

“O alvo da nova terapia não é resolver um problema particular, mas ajudar o indivíduo a crescer, de maneira que ele possa fazer face ao problema atual e aos problemas que mais tarde apareçam de uma maneira mais bem integrada… ela baseia-se muito mais na tendência individual para o crescimento, saúde e adaptação… Esta nova terapia põe mais ênfase nos elementos emocionais, nos aspectos emocionais da situação, do que nos aspectos intelectuais… Esta nova terapia dá maior ênfase à situação imediata do que ao passado do indivíduo… Esta abordagem considera a relação terapêutica em si mesmo como uma experiência de crescimento” (Rogers, 1942).